Twitter response:
Bom para Criança

Tag: conteúdo

Umizoomi | 3+

Um bicho de sete cabeças para muitas pessoas, aprender matemática pode ser muito gostoso e divertido! A série de animação Umizoomi traduz em uma linguagem lúdica e focada nas crianças em idade pré-escolar conceitos temidos por muitos adultos, como problemas envolvendo medidas, formas geométricas e contas simples de álgebra.

property-header-team-umizoomi-desktop-portrait-2x

A série de animação Umizoomi, produzida pelo Nickelodeon, é um bom exemplo de como trabalhar com conceitos educativos de forma lúdica e sem deixar de lado o entretenimento. As histórias dos episódios giram em torno da matemática, e introduzem de forma leve um conhecimento temido por muitos adultos, mas que pode ser facilmente apreendido pelas crianças.

Os protagonistas da série são Milli, Geo e Bot, três super heróis que formam a Equipe Umizoomi, e cada um deles tem um tipo de poder matemático e estão dispostos e a trabalharem juntos para resolverem os problemas das crianças da Umi Cidade.

Milli é uma menina com o “Poder do Desenho” e o “Poder da Medida”, que a permite mudar as cores de seu vestido, tirar desenhos e completar imagens. Irmão mais novo de Milli, Geo possui o “Poder da Figura”, que fazem com que ele tire formas geométricas de seu cinto mágico para criar objetos utilizados nas missões. E o Bot é um robô amigo de Milli e Geo, que possui em sua barriga uma tela chamada de “Tele-Tele-Barriguinha”, onde os personagens pedem ajuda para outras crianças da Umi Cidade. Ele também é capaz de esticar seus braços e tirar coisas uteis de dentro do seu corpo.

Em uma lógica de narrativa interativa, próximo aos roteiros de Dora, a Aventureira, Umizoomi estimula os telespectadores a responderem às perguntas e solucionarem junto com os personagens os problemas levantados nos episódios, alguns normais e outros fantásticos que envolvem soluções utilizando formas geométricas, lógica matemática, medidas e contas de álgebra. Para quem não conhece, vale a pena assistir com o seu filho e observar como ele reaje às histórias!

Sobre a animação

Umizoomi é uma série de animação musical focada no público pré-escolar e produzida pela Nickelodeon Animation Studios. Ela mistura animaçãoo 3D, elementos de animação em flash e imagens gravadas. No Brasil, a série é transmitida pela Nick Jr. e pela TV Cultura, no programa Quintal da Cultura. Além de disponível no catálogo do Netflix.

Umizoomi

Público-alvo: 3+ | Crianças em idade pré escolar
Série de animação: 4 temporadas | 78 episódios x 24 minutos
Exibição: TV Cultura no programa Quintal da Cultura, Nick Jr. e Netflix

Para conversar com as crianças

  • Milli, Geo e Bot tem cada uma habilidade diferente. Será que o seu filho consegue te contar que super poder cada um dos personagens tem? E o que eles fazem com este super poder?
  • Umizoomi também mostra muitas brincadeiras com cores e formas que estão presentes nas situações cotidianas da nossa vida. Que tal a gente observar as formas que estão ao nosso redor?
  • Para crianças maiores, os pais também podem mostrar como a matemática ajuda a resolver problemas no dia a dia. Onde podemos ver números? Ao ligar para um número no telefone, apertar o andar no elevador, ao fazer uma conta e receber o troco…

por Silvia Dalben

Por trás das telas: Entrevista com Beth Carmona

O que observar na hora de escolher conteúdos digitais para o seu filho? “Tudo é uma questão de equilíbrio. Essas ferramentas podem ajudar e podem desenvolver até habilidades cognitivas. Retirar essas possibilidades das crianças, ou afastar delas esses devices por medo é uma bobagem. Porque por uma via ou outra as crianças estão nesse mundo, e a sociedade que a gente vive é essa.”

Crédito: Gal Oppido/ Reprodução Internet

Crédito: Gal Oppido/ Reprodução Internet

Quando assistimos aos programas de televisão infantil, muitas vezes não paramos para pensar nas pessoas envolvidas em sua criação e produção. No Brasil, uma das maiores especialistas nesta área é Beth Carmona, que começou sua carreira na década de 1990 como Diretora de Programação da TV Cultura e envolvida na produção de sucessos como “Rá-tim-bum”, “Castelo Rá-tim-bum” e “Confissões de Adolescente”.

Beth Carmona também trabalhou na Discovery Latin America, na The Walt Disney Company Brasil, como presidente da TVE RJ-Brasil por quase cinco anos, além de prestar consultoria para canais como Gloob e Discovery Kids. Uma vasta experiência que lhe deu bagagem para alçar voos maiores e lançar o ComKids, uma plataforma digital que propõem discutir a produção de conteúdos digitais, interativos e audiovisuais de qualidade para crianças e adolescentes, com foco no Brasil e na América Latina. Entre as atividades de maior destaque do ComKids, está o Festival Prix Jeunesse Iberoamericano, realizado desde 2009 em colaboração com a edição internacional que acontece na Alemanha.

Veja mais em www.comkids.com.br

Já há alguns anos acompanho o trabalho do ComKids pela internet, e tive o prazer de conversar com Beth Carmona durante o Rio Content Market, onde ela mediou várias palestras sobre produção de conteúdo digital para crianças e adolescentes, entre novos projetos de séries de TV, aplicativos e games. Divido com vocês a seguir um pouco desta conversa.

Bom para criança: O que os pais devem observar na hora de escolher conteúdos digitais para mostrar para o seu filho?

Beth Carmona: É engraçado, pois eu sinto que ainda existe uma barreira muito grande, e uma dúvida dos pais em relação a que tipo de conteúdo eles vão assistir na internet, ou opiniões como “Eu não deixo o meu filho assistir vídeos na internet” assim como existia há alguns anos a postura “Eu não deixo o meu filho assistir televisão” ou “Eu não deixo meu filho jogar vídeo game.”

Enfim, eu acho que tudo é uma questão de equilíbrio. Essas ferramentas podem ajudar e podem desenvolver até habilidades cognitivas. Retirar essas possibilidades das crianças, ou afastar delas esses devices por medo é uma bobagem. Porque por uma via ou outra as crianças estão nesse mundo, e a sociedade que a gente vive é essa.

Informação é tudo. Os pais precisam se informar, conversar, trocar ideias. E hoje é tão bom a gente ter acesso ao conhecimento e à informação de uma maneira tão imediata. Todo mundo tem. E as crianças já nascem com essa habilidade.

O que a gente precisa ensinar para os nossos filhos é saber o que escolher, da mesma forma como quando vamos a uma feira e precisamos separar o que é bom do que é ruim. O que é qualidade? Onde encontro qualidade? Essas são as perguntas que os pais devem se fazer, e são exercícios que fazemos muito dentro do ComKids.

Bom para criança: Como surgiu o ComKids?

Beth Carmona: O ComKids nasceu de uma iniciativa da ONG Mídia Ativa, fundada por mim, num momento em que tive uma intensa experiência com produção de séries de televisão na TV Cultura, nos anos 1990. Eu acredito que a gente fez uma história linda lá dentro, produzindo, programando e descobrindo as crianças na televisão. Numa época em que a TV Aberta relegava as produções infantis para o horário da manhã, sem entender que criança estava por trás e que existia inteligência no mundo infantil.

O Mídia Ativa foi inspirado em algumas experiências internacionais que eu tive a sorte de participar, algumas fundações e grupos profissionais que trabalham com criança, e essa é uma comunidade muito apaixonada que se encontra em vários lugares e vai trocando experiências, evoluindo, discutindo linguagens.

Quando o ComKids nasceu como selo, o objetivo não era só falar de televisão, mas falar de uma maneira geral o que é produzir conteúdo infantil nas mais diversas plataformas, com que tipo de preocupação, com que tipo de realidade, com que tipo de cuidado, ética responsabilidade. O ComKids está sempre discutindo entretenimento e educação, mas também falando de criatividade e de linguagem.

Bom para criança: Quais são as principais atividades promovidas pelo ComKids?

Beth Carmona: O ambiente da plataforma ComKids acolhe produtores, criadores, educadores, pessoas que se interessam por este assunto e que de alguma forma querem entrar em contato, trocar experiências e saber o que está acontecendo. Tempos um caráter informativo, mas também temos um caráter de formação pois realizamos seminários, workshops e publicações que são disponibilizadas no site gratuitamente.

A nossa comunidade está focada principalmente naqueles que produzem conteúdo para crianças em português e em espanhol, pois acreditamos que a nossa cultura precisa estar melhor representada, e a gente acha que a América Latina tem um jeito de educar, de ver e de criar que pode contribuir e muito para um debate global sobre o assunto. O selo ComKids foi criado em 2009 e estamos indo para o sétimo festival ComKids Prix Jeunesse.

por Silvia Dalben

Meu Amigãozão e o Livro Mágico | 5+

A série de animação brasileira que já faz o maior sucesso lançou agora um jogo para celular de Realidade Virtual que funciona com o óculos CardBoard. É muita inovação!

meu-amigaozao-e-o-livro-magico-ea7561-h900

Acho que todo mundo já conhece a série “Meu Amigãozão”, que faz o maior sucesso no Discovery Kids, não é? A série 100% brasileira lançada em 2010 foi, junto com Peixonauta, uma das primeiras séries de animação nacional, fruto do trabalho de Andrés Lieban e André Breitman que são um dos pioneiros desta indústria no Brasil.

Como a inovação é uma das característica deste time de artistas empreendedores, a dica de hoje é sobre um aplicativo de Realidade Virtual que eles acabaram de lançar para celular e que conhecemos durante o Rio Content Market, uma feira de conteúdos promovida pela ABPITV em março de 2016.

Neste jogo super interativo, as crianças embarcam em uma aventura com o Golias, o Bongo e a Nessa em busca de maças para a festa que eles estão organizando. Você pode controlar o voo da nave com os movimentos do celular ou com o óculos de Realidade Virtual CardBoard.

O desafio é pegar o máximo de maças que você conseguir! Mas cuidado para não bater nas borboletas ou nos obstáculos no meio do caminho. O jogo tem três fases e, no final, as crianças chegam em uma festa no parquinho.

Untitled-4

Sobre o aplicativo

Este jogo para celular permite controlar os comandos com o acelerômetro do celular ou utilizando o óculos de Realidade Virtual CardBoard. Este é um tipo de óculos desenvolvido pelo Google que é feito com papelão e você pode comprar um aqui.

O jogo está disponível para download na Google Play para smartphones Android e na Apple Store para iPhone.

MEU AMIGÃOZÃO E O LIVRO MÁGICO

Público-alvo: 5+
Download na Apple Store para iPhone e na Google Play para smartphones Android.
Valor: Grátis na Apple Store e US$ 0,99 na Google Play

PARA CONVERSAR COM AS CRIANÇAS

  • Vocês viram que esse jogo é diferente? Ao invés de você controlar com a mão, você controla ele com os movimentos da cabeça e dos olhos. Muito legal, não é? Aproveite para explicar para o seu filho o que é Realidade Virtual, um universo imersivo que permite você interagir com objetos que só existem no mundo digital.
  • Explore também a percepção do seu filho para o cenário e os objetos do jogo. Peça a ele para descrever como é o caminho, o que ele encontra, como ele faz para desviar dos obstáculos e coletar as maças, se ele encontrou o Golias, o Bongo e a Nessa. É importante observar como a criança consegue perceber esse cenário 3D, se ela consegue interagir com os objetos e se ela tem uma relação positiva com esse tipo de tecnologia.

por Silvia Dalben

Sago Mini Space Explorer | 3+

Neste aplicativo da Sago Mini, as crianças podem explorar o espaço guiando um cachorro-astronauta em uma aventura por planetas, estrelas, foguetes, satélites, robôs e ETs.

maxresdefault-1

Os aplicativos da Sago Mini são sempre uma boa dica para ensinar as crianças a explorar a interatividade de forma lúdica, divertida e positiva. Similar ao Ocean Swimmer, o aplicativo Space Explorer também é um endless game onde os pequenos interagem com Harvey – um cachorro-astronauta – em uma aventura entre planetas, estrelas, foguetes, satélites, robôs e ETs.

Desenvolvido especialmente para crianças em idade pré-escolar, este aplicativo é super simples, sem regras nem instruções. Com apenas o toque dos dedos, as crianças viajam com Harvey pelo cenário e encontram algumas bolinhas amarelas que indicam os locais onde ele pode interagir com os objetos.

Ao aproximar Harvey desses pontinhos amarelos, surgem animações engraçadas como um abraço em um robô, um picnic interestelar, um marshmallow sendo aquecido pelo Sol, um planeta que solta um pum! (Lógico que esse é o favorito do meu filho de três anos.)

O jogo começa com uma animação de uma casa com uma antena parabólica no telhado e, quando as crianças tocam nela, aparece Harvey com seu capacete de astronauta flutuando em direção ao espaço. Ao encostar o dedinho em Harvey, o jogador vai indicando a direção de seus movimentos, descobrindo por conta própria os vários objetos espalhados por este cenário sem fim.

Sago Mini é um aplicativo que estimula a criatividade e a imaginação das crianças que, a cada brincadeira, contam uma nova história.

Sobre o aplicativo

A Sago Mini é uma empresa canadense que desenvolve aplicativos para crianças, tendo sempre como premissa estimular a criatividade, a experimentação e a auto-expressão. Os aplicativos desenvolvidos pela empresa são sempre muito coloridos, com boas animações, uma pitada de humor, trilha-sonora e sound effects impecáveis. Sem regras e instruções, eles permitem que os pequenos se divirtam de forma livre e sem a necessidade de assistência dos pais.

SAGO MINI SPACE EXPLORER
Público-alvo: 4+ | Crianças em idade pré-escolar
Disponível para download na Google Play por R$ 2,50 e na iTunes Store por US$ 2,99.

PARA CONVERSAR COM AS CRIANÇAS

  • Este é um jogo que estimula muito a criatividade. Para explorar ainda mais as possibilidades, peça para as crianças contarem uma história ao longo da brincadeira, narrando as ações do cachorrinho e as animações que acontecem ao longo do cenário.
  • Você também pode pedir para seu filho identificar os objetos do cenário, como planetas, estrelas, satélites, e aproveitar para explicar para que serve cada um deles. Mostrar para ele que o cachorro está usando um capacete porque no espaço ele não consegue respirar, por exemplo, e que ele flutua porque lá não existe gravidade.

por Silvia Dalben

Bubble Guppies | 2+

No fundo do mar, em uma cidade chamada Bubbletucky, seis crianças sereias chamadas Bubble Guppies se divertem descobrindo um mundo de coisas novas sempre com a ajuda do Sr. Garoupa, um divertido e falante peixe laranja que é o professor dessa turminha.

Bubbleguppies-L-1920x1080_RGB

Os Bubble Guppies são um grupo de seis amigos – Gil, Molly, Oona, Golbie, Nonny, Deema – que vivem no fundo do mar, em uma cidade chamada Bubbletucky, e se divertem muito juntos, conversando com vários animais marinhos e também com o seu cãozinho de estimação, o Bubble Puppy.

As histórias sempre incluem atividades, músicas e uma pitada de humor, numa narrativa positiva que estimula as crianças a aprenderem coisas novas. Cada personagem possui sua própria personalidade e seu jeito único de descobrir as coisas. Gil é o mais desastrado. Molly é cuidadosa, solidária e a líder do grupo. E Nonny se destaca por não estar sorrindo o tempo todo, como seus amigos, é mais tímido, introvertido e muito inteligente.

Cada episódio trata de temas variados sobre ciências, matemática, música, sistema solar, alfabetização, sempre de uma maneira lúdica e divertida, com uma abordagem apropriada para crianças em idade pré-escolar. Muitas dessas temáticas são trabalhadas dentro da escola, onde o Sr. Garoupa, um falante peixe laranja que é o professor dessa turminha, conta histórias e explica sobre alguns assuntos, mas sempre com uma abordagem colaborativa e instigando os Bubble Guppies a explorar o mundo onde eles vivem, estimulando o raciocínio, a curiosidade, os questionamentos infantis.

É interessante destacar que, em algumas situações, o Sr. Garoupa também não sabe a resposta de alguma pergunta, dúvida ou problema apresentado pelos Bubble Guppies, reforçando a ideia de que nem sempre o professor tem a resposta para tudo. Nessas situações, ele estimulando as crianças a descobrirem juntas a resposta da pergunta ou solução para o problema.

Vale a pena conhecer essa turminha e em pouco tempo seu filho estará se divertindo, interagindo com os personagens, cantando e dançando as músicas.

Sobre os Bubble Guppies

Esta série de animação é produzida pela mesma equipe por trás dos Backyardigans e inclusive foi inspirada em um dos episódios dessa série, “Uma Viagem Vicking”, em que Tasha é uma sereia.

Os episódios de Bubble Guppies possuem uma narrativa interativa (mesmo estilo de Dora, a aventureira) que estimula as crianças a responderem as perguntas e participarem ativamente da história contada pelos personagens.

A série se destaca ainda pela qualidade estética da animação, as cores super vivas dos personagens e dos cenários, e a trilha-sonora pop-rock bem animada e contemporânea.

BUBBLE GUPPIES
Público-alvo: 2+ | Crianças em idade pré-escolar
Lançamento: 2011 | Está na 4ª temporada
Duração do episódio: 25 minutos
Onde passa: Nick Jr. às 16h30 | TV Cultura às 9h15 (Quintal da Cultura)

Para conversar com as crianças

  • Um dos temas abordados pela série que pode ser abordado pelos pais é a amizade, para estimular a sociabilização, principalmente das crianças menores que estão descobrindo como é bom fazer e ter amigos. Os Bubble Guppies são amigos? O que eles gostam de fazer juntos?
  • Em cada episódios, os Bubble Guppies tem um desafio para vencerem juntos. E a narrativa interativa estimula os espectadores a também participarem da história e ajudarem a solucionar o problema. O que os Bubble Guppies descobriram neste episódio? Eles tiveram que vencer algum problema? Você conseguiu ajudá-los a encontrar a resposta?
  • Um dos cenários muito explorados pela série é a escola, estimulando uma relação positiva e colaborativa entre colegas e professor. Os Bubble Guppies gostam de ir para a escola? O que eles fazem lá? Quem é o professor deles? O que o Sr. Garoupa ensina para eles?

por Silvia Dalben